Sair

Novo gestor da COAD/CSU vai priorizar parcerias para fortalecer os equipamentos


Direto, objetivo e positivamente impaciente como todo bom ariano, Adriano Costa, economista, é o novo coordenador de Administração dos Centros Sociais Urbanos (CSUs) da SJDHDS.


Com a experiência adquirida em organizações e movimentos sociais, e na coordenação do Programa Vida Melhor Urbano (PVMU), em Feira de Santana, ele chega com o desejo de reorientar a atuação dos CSUs para as comunidades onde estão instalados. “É um grande desafio, bem maior do que eu imaginava. Os CSUs estão vivos e em pleno funcionamento, oferecendo diversos serviços para a população. Espero que possamos fortalecer ainda mais as políticas públicas da SJDHDS, atingindo idosos, jovens, adolescentes e crianças que frequentam esses equipamentos”, disse ele.


Com a consciência de que os CSUs, apesar de levarem o nome do bairro onde estão instalados, atendem demandas de moradores de todo o entorno, ele cita a importância do equipamento no seu percurso de vida pessoal. “Eu tenho uma memória afetiva com os CSUs! Eu fui estudante no CSU de Castelo Branco. Eu sou conhecido como ‘Adriano de Feira’, por conta do trabalho no PVMU, mas cresci em Salvador e estudei lá dos dois aos seis anos de idade”.


Adriano contou a importância do Centro Social Urbano na vida de sua pequena família, composta pela mãe e mais dois irmãos, no final dos anos 1980. “O CSU é uma referência para mim. Lá funcionava uma escolinha onde eu estudava de manhã e ficava até o início da tarde, quando meu irmão mais velho ia me buscar. Era lá que eu tomava o café da manhã, o lanche e o almoço, com direito a sobremesa. Até hoje eu guardo na memória a lembrança do ‘arroz colorido’ que eles serviam”, nos contou sorrindo. “Quando contei a minha mãe onde eu iria trabalhar, ela me contou que, na época, ela trabalhava muito mais tranqüila pois sabia que o filho estava bem cuidado e alimentado. Eu conto isso pra mostrar a importância que o CSU teve na minha vida e provavelmente na vida de muitas pessoas. O CSU foi o embrião do SAC (Serviço de Atendimento ao Cidadão), pois havia uma oferta de serviços para a população como emissão de documentos e também atuava na intermediação de mão de obra”. Ele acredita que o equipamento deve ter sua atuação fortalecida na comunidade, pois ela mesma se apropriou desse espaço de interação e integração social.

Parcerias


A busca de parcerias com programas, instituições e iniciativa privada também estão nos planos do novo gestor. “Essa é uma orientação do Governo do Estado. Vamos priorizar as parcerias voltadas para o atendimento ao idoso, à juventude, à criança e ao adolescente, aproveitando a estrutura que já existe nos CSUs e também as atividades que já são desenvolvidas por lá. Vamos também buscar caminhos possíveis pra requalificar a estrutura física desses locais, para que as demandas dos moradores de cada região sejam realmente atendidas”.


Adriano tem a certeza de que os Centros Sociais Urbanos têm um papel muito forte nas comunidades onde estão instalados e que a excelência do trabalho desenvolvido na administração anterior terá continuidade na sua gestão. “Nenhum agente político tem o poder de fechar um CSU. A comunidade não deixa, pois ela se apropriou do equipamento e é lá que são realizados os encontros e as atividades esportivas dos bairros. Nós daremos continuidade ao trabalho que já foi desenvolvido e vamos responder às demandas dos usuários dos equipamentos, que são muitas, através de parcerias. O envolvimento com a comunidade do CSU abre possibilidades de parcerias com a iniciativa privada, através da responsabilidade social”.