Sair

Café da manhã com o secretário Carlos Martins reúne egressos da Fundac, familiares e parceiros do Sistema de Garantia de Direitos

A Fundação da Criança e do Adolescente (Fundac), órgão da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SHDHDS), realizou na manhã dessa segunda-feira (26), uma edição especial do Café com Afeto, iniciativa que promove a integração entre a Coordenação de Acompanhamento ao Egresso (Coeg/Fundac), familiares, jovens e adolescentes egressos das Comunidades de Atendimento Socioeducativos (Cases).

O café da manhã contou com a participação do titular da SJDHDS, Carlos Martins, da diretora geral, Regina Affonso, do coordenador da Coeg, Gabriel Teixeira, dos parceiros institucionais, dos egressos e familiares, além dos servidores da Fundac.

Desde outubro de 2015, o Café com Afeto faz parte das atividades de acompanhamento aos egressos e acolhe socioeducandos das Cases Salvador, Feminina, Irmã Dulce Camaçari, CIA e em semi-liberdade. Com o apoio de parceiros da iniciativa público-privada e representações da sociedade civil organizada, a Coeg já promoveu o acompanhamento e inserção de mais de 60 jovens no mercado de trabalho.

Para o titular da SJDHDS, Carlos Martins, “a sociedade precisa abraçar a reinserção de egressos, oferecendo alternativas a esses adolescentes. Não é a redução da maioridade penal e/ou o aumento da sentença que vai recuperar esses jovens”. Martins ainda enfatizou que essa recuperação depende também das ações de parceria, de iniciativas que acreditem nos jovens e, acima de tudo, a própria força de vontade daqueles que buscam a reinserção qualificada e afetuosa na sociedade.

Segundo a diretora geral da Fundac, Regina Affonso, “a ação integrada permite que o trabalho que vem sendo desenvolvido pela Coege promova uma qualificação mais efetiva dos egressos, além de uma maior inserção social desses jovens e adolescentes”.

Sobre o Café com Afeto

Segundo o psicólogo e coordenador da Coeg, Gabriel Teixeira, a construção do Café com Afeto foi pensada como proposta de acolhimento, com base no termo Confort Food, que toma conceitos da nutrição para referenciar alimentos que impactam na subjetividade de indivíduos e grupos. “Aqui Confort Food não tem relação direta com a gastronomia, elaboração de pratos de forma restrita, mas, comidas simples que remetem ao valor afetivo presente entre quem saboreia e o anfitrião”, explica. O jovem Eduardo Souza**, 17, que é atendido pela Coeg, já comemora algumas conquistas, a exemplo da prática de estágio realizada em grandes empresas, trabalho com registro em carteira e a emissão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), em andamento através da parceria FUNDAC e a EPTran.

**Nome Fictício